The Flash: Análise ao filme, sem spoilers!

the flash

The Flash é o filme mais recente do Universo DC, e o qual protagoniza Ezra Miller que, como sabemos, tem andado metido em problemas suficientes na sua vida pessoal, de modo a influenciar a escolha de os fãs irem ou não gastar o seu dinheiro num filme que o tem como cabeça de cartaz. 

YouTube video

Podes ver a análise em video.

The Flash é ligeiramente baseado na história da DC Comics, com o nome Flashpoint, em que Barry Allen (Miller) viaja no tempo para evitar a morte da sua mãe, Nora, e a prisão injusta do seu pai, Henry. No entanto, Barry acaba por mudar não só o presente, mas também o passado, e dá por si num universo alternativo onde Bruce Wayne (Michael Keaton) é um tanto ou quanto diferente do Batman que conhece (Ben Affleck). 

Juntamente com o seu eu do universo alternativo, Barry tenta salvar a linha temporal em que a sua mãe sobreviveu, ao ataque do General Zod com a ajuda da Supergirl (Sasha Calle).

A realização do filme ficou a cargo de Andy Muschietti que tenta recriar assim a história do Flashpoint, que já foi anteriormente adaptado em live-action na série televisiva The Flash e na animação no filme Liga da Justiça, de 2013: The Flashpoint Paradox. Infelizmente, não chega perto dos eventos da série, nem da adaptação mais violenta, madura e fiel à banda desenhada do filme de animação. 

O filme do Flash é, em vez disso, a adaptação mais ténue do Flashpoint, com um guião que se concentra nas coisas menos boas e um enredo frenético que não permite um grande desenvolvimento das personagens.

The Flash deveria ser a história de Barry, mas não apresenta um argumento convincente para nos preocuparmos com ele. Nora, a mãe de Barry, é um exemplo típico de uma mãe que apoia e ama o seu filho de forma incondicional. Há, pelo menos, alguns traços de personalidade na personagem, mas são apenas incluídos por razões de enredo ou para criar ligações emocionais mais tarde. 

A relação de Barry com Nora é o ponto crucial do Flashpoint, mas The Flash não lhe dá atenção ou tempo suficiente para que seja algo mais do que uma dinâmica mãe-filho de uma só dimensão. E a ligação emocional que nos faria sentir com a perda de uma figura tão importante nas nossas vidas, acaba por dissipar por causa de todos os cameos que são forçados no filme, para dar uso à palavra multiverso.

Mas por falar em multiverso, no que toca aos restantes membros apresentados no filme, a Supergirl é aquela que chama mais à atenção durante o tempo que tem ecrã. Não pela elaboração da sua personalidade ou até mesmo pela explicação de o porquê ela ser uma figura importante, mas sim pelas suas lutas. A sua luta com Zod é um dos pontos altos.

Com a apresentação da Supergirl, nota-se claramente que o diretor quis homenagear Zack Snyder e a visão inicial que ele tinha para este universo. A maneira como os Kryptonianos se movem, é um dos pontos que faz ligação direta ao Snyder Verse. 

No que toca ao grande momento nostálgico do filme, o regresso de Michael Keaton na sua versão de Batman, é sem dúvida a melhor parte do filme. Desde o momento que ele surge no ecrã, é como se fossemos levados de novo para 1989 e vermos o Cavaleiro das Trevas no seu esplendor. Não só a apresentação do Batman de Keaton faz juz ao filmes antigos, como ainda melhoram a sua performance, com a nova tecnologia, mantendo em muitas partes o estilo de filmagem de Tim Burton. Desde os ângulos de câmera baixos quando o Bats caminha, até aos momentos de zoom quando surge o Batmobile ou o Batwing. São todas boas ligações aos filmes clássicos dos inícios dos anos 90.

No que diz respeito ao outro Batman no filme, e aquele que muitos consideram o melhor Batman em live-action, este filme não lhe faz tanto juz como ao de Keaton por exemplo. Muito em causa está o humor que tentam impingir nas falas do Morcegão. É certo que esse tipo de tom encaixa bem do Batman do Keaton, mas a versão do Batfleck é muito mais sombria. E o humor que ele solta de quando em vez, é muito específico. (Sim porque ele existe em Batman v Superman, mesmo para quem diga que não). Dito isto, esta foi a despedida de Ben Affleck da capa do Cavaleiro das Trevas, e não deixa de ser de certo modo, um pouco agridoce. 

No que diz respeito aos outros cameos surpresa, são de fato um dos pontos de choque do filme e claramente desenhados para fazer sair o ar dos pulmões das plateias na sala de cinema. Contudo, mesmo neste aspeto, esperava um pouco mais, tendo em conta que o evento no Arrowverse, com o nome Crisis on the Infinite Earths, fez até um melhor trabalho.

Ainda assim, o filme apresenta muitas ideias interessantes, desde as duas versões de Barry Allen e a abordagem do multiverso através do Flashpoint até ao regresso do Batman de Keaton e à introdução da Supergirl, mas não consegue concretizar qualquer uma delas. E tendo em conta que o filme saiu no mesmo mês do Spider-Man: Através do Spider-Verse, pode-lhe afetar a performance na bilheteira. Não só pelas dúvidas que o público sente em relação ao universo DC atualmente, mas também porque o Spider Verse mostra realmente como se faz um filme de multiverso.

EM SUMA

the flash

The Flash é um filme divertido com bons momentos para os fãs da DC, mas que sem dúvida os mais ferrenhos são os que os vão apreciar. Com o futuro do Velocista ainda incerto, e tendo em conta que o James Gunn disse que este seria um “soft reboot” do universo. Há muita coisa que fica. digamos… um pouco a desejar. 

E depois de todo o hype que foi gerado por opiniões como a do Tom Cruise e do Stephen King e outros grandes nomes, eu esperava um pouco mais. Ainda assim, recomendo que vejam o filme, apenas não com as expectativas super elevadas como eu tinha à entrada para o cinema. 

Arrisco-me a dizer que o filme do Black Adam me divertiu muito mais do que o filme do Flash. Mas como tudo, opiniões são subjetivas. 

Se tivesse de dar uma pontuação ao filme, diria que 3 estrelas em 5 seria a melhor opção. O filme não deixa de ser divertido e de ter os seus momentos de glória, (especialmente naquela abertura), mas não acredito que seja um que o pessoal retenha na memória. 

Mas o que tu achaste do filme? Gostaste? Diz-me a tua opinião nos comentários.


Se quiseres falar sobre qualquer coisa geek, podes falar comigo, através do twitter ou Instagram ou Facebook do Tretas do Cromo, sobre isto ou qualquer coisa sobre a DC, Marvel, Star Wars, The Witcher e mais temas geeks.

Youtube

Espreita também o Canal Youtube do Tretas do Cromo, e não percas nenhuma análise ou notícia sobre tudo que envolve o mundo geek.

Considera apoiar o jornalismo presente no site

Considera apoiar o trabalho feito no site, para que possa trazer mais conteúdo e de melhor qualidade, cada vez mais. Espreita uma das seguintes opções:

Obrigado pelo apoio.

SenhorPM

Geek a tempo inteiro, PM é o fundador do projeto Tretas do Cromo. Podes segui-lo no Instagram em @senhor_pm, no twitter em @senhor_pm ou no facebook em @senhorpm.

Deixe um comentário

This Post Has One Comment

  1. Luiz Antonio

    Como o filme fez sucesso se nos Estados Unidos teve a pior abertura e pode nem chegar a 400 milhões e mais ainda não se pagar. Triste para o penúltimo filme do DCEU.