George Lucas sobre a versão Star Wars da Disney: ‘Ninguém entendia a Força’

george lucas star wars

SEGUE AS REDES PARA FICAR A PAR DAS NOVIDADES


George Lucas reflete sobre a versão de Star Wars da Disney depois de ter vendido a Lucasfilm à Disney por 4 mil milhões de dólares em 2012. Ao longo da última década, tanto os fãs como o próprio Lucas expressaram reações mistas à direção que a Disney tomou com a adorada galáxia far, far away.

Lucas falou recentemente sobre os seus pensamentos em relação às sequelas e spin-offs de Star Wars produzidos sob a liderança da Disney numa entrevista ao The Hollywood Reporter. “Eu era o único que sabia realmente o que era Star Wars… que conhecia realmente este mundo, porque há muita coisa nele. A Força, por exemplo, ninguém entendia a Força”, comentou Lucas. Ele sente que elementos essenciais da sua trilogia original se perderam na adaptação.

Relacionado


Apesar destes sentimentos, Lucas reconhece a necessidade de seguir em frente quando uma criação é entregue, dizendo: “Desiste-se, desiste-se”. Apesar de Lucas acreditar que falta alguma da essência dos seus originais nos projetos da Disney, continua a manter-se ligado ao universo da Guerra das Estrelas.

Visita frequentemente os sets de filmagens e dá conselhos aos realizadores, mantendo-se presente na expansão contínua da sua criação. Lucas trabalhou como consultor criativo no primeiro filme da trilogia de sequela de Star Wars, A Força Desperta, e visitou o cenário de Star Wars: Andor. Além disso, o criador da Guerra das Estrelas também foi considerado um fã de Rogue One.

O debate sobre o verdadeiro significado da Força

star wars the phantom menace a ameaça fantasma

Um tema central em Star Wars é o conceito de equilíbrio da Força, uma ideia que Lucas discutiu extensivamente. A Força é a força vital do universo de Star Wars, ligando todos os seres. Os equívocos sobre o que significa equilibrar a Força têm vindo a multiplicar-se, especialmente com as interpretações que sugerem um equilíbrio entre o lado da luz e o lado negro, semelhante ao yin e yang.

Lucas refuta essa noção. Em 2010, numa reunião com os escritores de Star Wars: The Clone Wars, ele explicou que o lado negro é uma distorção não natural da Força. “O que acontece quando se vai para o lado negro é que ele se desequilibra, e então fica-se muito egoísta… quando se fica egoísta, consegue-se coisas. Ou queremos coisas e, quando queremos coisas, e as temos, ficamos com medo que alguém as tire de nós… Quando ficamos com medo que alguém nos tire as coisas, ou que as percamos, começamos a ficar zangados… E essa raiva leva ao ódio, e o ódio leva ao sofrimento”, explicou Lucas.

Na visão de Lucas, o lado da luz representa a verdadeira natureza da Força. O lado negro é uma corrupção provocada pelo egoísmo e pela ganância. Ele enfatizou que a busca por esses vícios é passageira e, em última análise, destrutiva. Este conceito foi mais explorado em The Clone Wars. Torna-se claro que o equilíbrio na Força não se trata de igualar o número de utilizadores do lado da luz e do lado negro na galáxia. Em vez disso, tal como foi salientado pelos acontecimentos em Mortis, aqueles que abraçam o lado da luz agem em harmonia com a vontade da Força, servindo como seus agentes de equilíbrio.

A “Filha” é muitas vezes retratada como alguém que segue a vontade do Pai e trabalha para o proteger, sugerindo que o lado da luz se alinha com a verdadeira natureza da Força. Em contraste, o lado negro representa uma influência corruptora que perturba este equilíbrio, desviando os detentores da Força do seu verdadeiro objetivo.

Relacionado



Espreita também o Canal Youtube do Tretas do Cromo, e não percas nenhuma análise ou notícia sobre tudo que envolve o mundo geek.


Considera apoiar o jornalismo presente no site

Considera apoiar o trabalho feito no site, para que possa trazer mais conteúdo e de melhor qualidade, cada vez mais. Espreita uma das seguintes opções:

Obrigado pelo apoio.

SenhorPM

Geek a tempo inteiro, PM é o fundador do projeto Tretas do Cromo. Podes segui-lo no Instagram em @senhor_pm, no twitter em @senhor_pm ou no facebook em @senhorpm.

Deixe um comentário