The Mandalorian: Episódio 2 Explicado!

the mandalorian episodio 2

ATENÇÃO: SPOILERS PARA O 2º EPISÓDIO DA 3º TEMPORADA DE MANDALORIAN

Há inúmeros easter eggs referentes a todo o universo de Star Wars neste segundo episódio, da 3º temporada de Mandalorian, que transporta Din Djarin e Grogu para o destruído Mandalore, onde a verdadeira jornada de redenção começa.

Neste episódio 2, intitulado “Capítulo 18 – As Minas de Mandalore”, o enredo ganhou alguma velocidade em relação ao episódio inicial. Por isso, vamos analisar detalhadamente tudo o que conseguimos encontrar no episódio, durante este artigo.


Vê a análise em vídeo ao Episódio 2 de Mandalorian:

YouTube video


O festejo de Boonta Eve.

O episódio 2 desta temporada começa com alguns pequenos easter eggs interessantes. Desde logo o episódio abre com uma corrida e alguns foguetes, que ficamos a saber mais tarde que é em honra de Boonta Eve. 

Isto é uma referência às prequelas de Star Wars, mais precisamente ao episódio 1, The Phantom Menace. Aqui vemos o planeta de Tatooine a festejar a semana dedicada a Boonta Eve. Ora, este evento decorreu durante as últimas décadas da Velha República e os primeiros anos da Nova República. Boonta Eve era também o feriado e festival anual no planeta desértico de Tatooine. Cujo celebrava a ascensão de um Hutt chamado Boonta Hestilic Shad’ruu que atingiu a divindade. 

Também podemos ver a utilização de fogo de artifício durante este festejo e estes fogos eram utilizados para esta celebração em Mos Eisley, que era um grande porto espacial no planeta Tatooine. 

Curiosamente, foi este exato evento que nos foi apresentado o pequeno Anakin Skywalker, no episódio 1, antes de ganhar a sua liberdade numa dessas corridas, e de conhecer Qui-Gon.

A OFICINA DA PELI MOTO

Após a corrida, regressamos à oficina de Poli Moto que está a enganar um Rodian para lhe extrair dinheiro, em troca da reparação do seu veículo. Veículo esse, que sabemos que foi saqueado por um esquema de Peli com os Jawas, de maneira a fazerem dinheiro fácil. 

Para além de vermos o regresso de algumas raças conhecidas no universo Star Wars, como os Rodians e os Jawas, também podemos ver os droides de Peli em ação. Aqui temos uma pequena referência ao jogo Jedi: Fallen Order, porque vemos através da Peli, um droide BB, que é o mesmo droide que faz companhia ao Cal Kastis no jogo.

Mas por falar em droides, também aparece aqui o R5-D4, que é o mesmo que os Jawas tentam vender ao Luke e ao seu tio Owen, e já nessa altura estava a cair aos bocados.

A REFERÊNCIA A CLONE WARS

Após isso, Din Djarin e Grogu chegam à oficina de Peli, e podemos ver (através do seu sorriso) que lhe falta um dente, dente esse que ela perdeu durante a final de Book of Boba Fett. O que demonstra aqui uma boa continuidade.

à chegada, Grogu salta da nave para os braços de Peli, levando-a a perguntar: ” Quem te ensinou a saltar como um Lurmen, huh?” Os Lurmen são uma pequena espécie semelhante a um macaco, e podemos vê-los na série animada de Star Wars: The Clone Wars, entre os episódios 13 e 14 da 1ª temporada. 

Estes seres são de facto extremamente ágeis – e na verdade, há pelo menos um Lurmen que era sensível à Força, por isso é bem possível que a sua agilidade natural e o uso da Força aumentem estes saltos. O que torna bastante divertido fazer a comparação entre os Lurmens e o Grogu em The Mandalorian.

MAIS COMPARAÇÕES DE GROGU A YODA

Para além da comparação de Grogu aos Lumens, também podemos fazer uma comparação a ser da sua raça, o mestre Yoda. O tipo de salto que vemos Grogu aqui fazer também é o mesmo tipo de salto que Yoda faz quando luta contra o Darth Sidious, por exemplo. 

Não só pode ser a maneira como esta raça salta, mas se realmente houver uma utilização da Força durante estes momentos, então isto demonstra-nos que o jovem Grogu está agora muito mais ligado a ela. Para além disso, é uma demonstração de como o treino que ele fez com o Luke Skywalker, já está a dar frutos. Temos de ter em conta, que apesar de ter parecido um curto treino, o diretor da série, o sr. Jon Favreau, revelou anteriormente que o treino de Grogu com o Luke, durou cerca de 2 anos. Por isso, deu para aprender muita coisa.

MENÇÕES A BOBA FETT E OS HUTTS

Peli pergunta a Din Djarin o que ele está a fazer em Tatooine, o que ele responde que está lá em negócios, o que leva Peli a ficar entusiasmada e a mencionar tanto Boba Fett como os Hutts, fazendo a primeira referência aos eventos que decorreram na série The Book of Boba Fett. 

Nesses eventos, Boba estabeleceu-se como chefe do crime local, assumindo o território dos Hutt. Din Djarin ajudou-o a manter esse território, por isso é que Peli pergunta se Din foi contratado para ajudar com outra crise. Isso, ou com receio de ela perder outro dente. 

Certamente, que vamos ter um cameo do Boba Fett ainda esta temporada, talvez até para ajudar na guerra Civil que se avizinha entre os Mandalorians. Porque acredito que a Armor, seja a vilã principal desta temporada.

DROIDES FORA DE CIRCULAÇÃO

Após negar que a sua visita a Tatooine não tem nada haver com Boba Fett ou os Hutts, Din revela que está à procura de partes para um droide. Droide esse que é o que vimos no 1º episódio, o IG-11. 

A série IG foi uma série de droides fabricados pelos Laboratórios Holowan durante e após as Guerras dos Clones. Na altura da Nova República, os circuitos de memória IG já não são fabricados, o que torna difíceis de encontrar. 

Curiosamente, o único droide IG que ainda pode estar em circulação, poderá ser o infame IG-88, que vimos no filme The Empire Strikes Back. Porque o paradeiro dele, nunca foi revelado, por isso, podemos acreditar que ainda anda por aí a aceitar contratos.

“RED” E A SUA IMPORTÂNCIA EM STAR WARS

Como solução à falta de peças para o IG-11, Peli diz para Din comprar o R5-D4, que também é conhecido como “Red”. Além disso, Peli diz que ele participou na Rebelião. Mas como?

O R5-D4 foi introduzido no primeiro filme Star Wars, e era um dos dróides vistos no Jawa Sandcruiser. O livro “The Red One” de Rae Carson, revela que o R5 sabotou intencionalmente o seu próprio motor de maneira a que o R2-D2 fosse vendido à família Lars. 

Ora, de certa forma, e tendo em conta esta informação, podemos aceitar que o R5 teve de facto um papel importante. Visto que sem o R5, Luke Skywalker e R2-D2 nunca se teriam encontrado e o Obi-Wan nunca teria recebido a mensagem da Princesa Leia.

IMPORTÂNCIA DE CONCORDIA, LUA DE MANDALORE

Depois de partirem de Tatooine, Din e Grogu viajam para Mandalore, onde vêem a lua de Mandalore, que dá pelo nome de Concordia. Din assinala que Concordia é o local onde ele foi criado, o que serve como uma referência dupla, pois mostra como o seu crescimento foi afetado pela Death Watch e é também referência a Clone Wars. 

Na série animada de Clone Wars, Concordia foi apresentada como a base natal da Death Watch, que era liderada por Pre Vizsla.  Após a Guerra Civil de Mandalore, todos os guerreiros foram exilados em Concordia pelos Novos Mandalorianos e presumiu-se que estes tinham morrido. Contudo, quando Clone Wars começa, Concordia tinha-se tornado uma província de Mandalore com o seu próprio governo, sendo Din Djarin um dos membros de “Children of the Watch”, que nos são apresentados na série de Mandalorian.

O CAPACETE SERVE PARA MAIS DO QUE TAPAR A CARA

Após aterram no planeta, R5 perde-se e Din vai atrás dele, apesar das suas incertezas sobre a atmosfera estar envenenada. Sempre houve um intenso debate sobre como funcionam os capacetes de Mandalorians em termos de navegação em ambientes tóxicos ou mortais. 

Isto é finalmente esclarecido neste episodio, onde Din exerce pressão sobre o seu capacete contra a dura atmosfera Mandaloriana – o que também é uma boa referência ao som da respiração artificial de Darth Vader. É um detalhe sutil, ao Sith Lord.

O PESO DO DARKSABER

Logo a seguir, Din é atacado por uma espécie de trolls deste planeta, que se adaptam de alguma forma à atmosfera mais densa do planeta. Para além disso, também fizeram uso deste terreno rochoso, usando este material verde, que vemos na superfície, para criar as suas armas.

Esta cena introduz novas criaturas aparentemente chamadas Alamites. Bo-Katan explica mais tarde que os Alamites estavam habituados a viver nas zonas abandonadas para lá das cidades de Mandalore. Ela também menciona que, se os Alamites conseguiram sobreviver ao ataque do Império a Mandalore, outras criaturas ou pessoas também poderão ter sobrevivido.

Assim que Din é atacado pelos Alamites de Mandalore, este recorre pela primeira vez ao Darksaber na terceira temporada de Mandalorian. Tal como em The Book of Boba Fett, Din Djarin luta para conseguir usar o Darksaber sentindo o peso dele, e acaba por lhe atrapalhar mais do que lhe dar ajuda. 

Segundo a Armorer, Din tem dificuldades em empunhar o sabre porque ele tem tendência a lutar contra a arma. Este conceito foi estabelecido pela primeira vez em Star Wars Rebels, quando o Darksaber foi usado por outra Mandalorian chamada Sabine Wren, que dizia que o Darksaber era mais pesado do que ela esperava.

AS RUÍNAS DE MANDALORE

Após isso, Din e Grogu percorrem a capital mandaloriana de Sundari, que está agora arruinada. Sundari apareceu várias vezes durante a série de Clone Wars, e podíamos ver o quão bonita era na realidade esta cidade.

Este local também teve grande destaque na temporada 7 de The Clone Wars, que contou a história do Cerco de Mandalore, cujo foi uma invasão das forças da República, com o objetivo de derrubar Darth Maul.

Outra referência a Darth Maul, também pode estar aqui presente, porque Din e Grogu atravessam os esgotos da cidade. Esgotos esses que também foram apresentados em Clones Wars, quando a Ahsoka Tano perseguiu o Sith Lord pelos mesmos esgotos. Podemos ver as semelhanças na arquitetura.

GROGU AO SALVAMENTO

Depois de Din ser capturado por uma criatura super estranha, Grogu viaja em busca da ajuda de Bo-Katan. Esta cena mostra Grogu a viajar sozinho pela primeira vez na série, a qual me faz lembrar os episódios de Clone Wars em que o mestre Yoda viajava um starfighter com a ajuda de um astromech, frequentemente o R2-D2. 

Aqui Grogu, viaja com o R5-D4 o que gera um paralelo entre o jovem Jedi/Mandalorian e o antigo Mestre Jedi.

BO-KATAN VS DIN DJARIN?

No momento em que Grogu chega para pedir a ajuda, Bo-Katan tem uma postura diferente, e ao ver a nave de Din a rondar o seu castelo, ela menciona que está na hora de “acabar com ele”.

Ora, não sabemos se isto significa se ela apenas está farta de ver Din na sua frente, ou se na realidade, estão aqui a criar as bases para um conflito entre ambos. Talvez um conflito que possa afetar o futuro de Mandalore e as suas pessoas. Talvez, Bo-Katan queira de volta o Darksaber, e desta vez ganha-lo em combate, de modo a que consiga controlar o seu povo. Ela bem que olhou para o sabre mais à frente no episódio, com olhos de cobiça. Vamos aguardar.

A NAVE DE BO-KATAN

Bo-Katan sem dúvida que tem um papel importante na terceira temporada de Mandalorian, e neste episódio, podemos ver também a sua nave, com nome de Gauntlet, quando esta viaja para Mandalore.

Esta nave apareceu pela primeira vez em Star Wars: The Clone Wars, e Bo-Katan foi apresentada na mesma, para Mandalore na segunda temporada de Mandalorian. Esperemos que as capacidades da “Gauntlet” sejam exploradas ao pormenor nesta temporada.

BO-KATAN FALA DA RELAÇÃO COM OS JEDI

Depois de viajarem para o subsolo de Sundari, Grogu e Bo-Katan começam a vasculhar as minas à procura de Din. Durante a sua viagem, Bo-Katan menciona a Grogu que em tempos conheceu muitos Jedi. 

Isto é uma referência acolhedora de que os Jedis e os Mandalorians já trabalharam juntos anteriormente, sendo que Bo-Katan aliou-se a Ahsoka Tano, Obi-Wan Kenobi, e Anakin Skywalker. Estas palavras também podem servir de referência à amizade entre Sabine Wren e os Jedis, Kanan Jarrus e Ezra Bridger, em Star Wars Rebels.

O ESCUDO DE BO-KATAN

À semelhança de Din, no início do episódio 2, Bo-Katan é atacada pelos Alamites. Katana usa com o seu holo-escudo durante a luta, o mesmo escudo usado em Star Wars: The Clone Wars e Star Wars: Rebels.

Os escudos são ativados através de uma luva usada pelos Mandalorians e podem resistir a uma quantidade razoável de golpes, contudo, Bo-Katan não confia apenas na armadura para se proteger e defere uns belos golpes.

AS HABILIDADES COM O DARKSABER

Mas por falar em golpes, Din Djarin pode ter dificuldades com o Darksaber, mas Bo-Katan usa-o com bastante agilidade. Isto indica a estabilidade intrínseca de Bo-Katan e a sua resolução de objectivos, porque o Darksaber responde à vontade do seu detentor. Mesmo assim, ela devolve-o a Din, manifestando que o considera um aliado, pelo menos por enquanto.

A Família Real Kryze

No final do episódio, Bo-Katan faz uma alusão à sua família. Durante a timeline das prequelas, a casa Kryze era a família real de Mandalore. Bo-Katan recorda-se de ter adoptado o Credo Mandaloriano enquanto o seu pai olhava, deixando-o orgulhoso por não o ter envergonhado. Este comentário é interessante, pois poderia implicar que ele considerava a irmã de Bo-Katan, a Duquesa Satine, algo como que uma vergonha, sendo ela uma pacifista e amiga dos Jedi, que foi até ela que batizou Obi-Wan Kenobi com o nome “Ben”. 

De lembrar também que foi através desse pacifismo que a Duquesa Satine viu-se cercada pela República, e acabou mesmo na sua morte às mãos de Darth Maul, que empunhava o Darksaber nesse momento, ajudando assim, até a cimentar a maldição de Mandalore.

Mythosaur passa de lenda a realidade

Sem dúvida o maior easter egg deste episódio, chega mesmo no seu final. Din realiza o ritual para se redimir nas “Águas Vivas” de Mandalore, antes de cair numa profunda caverna subaquática (ou talvez ser puxado, não sabemos bem). Din fica inconsciente, sendo resgatado por Bo-Katan, que se atira para as águas para ajudar o seu aliado (até ao momento). 

No seu regresso à superfície, Bo-Katan fica chocada ao ver o lendário Mythosauro. Estes seres foram originalmente os predadores máximos de de Mandalore, e são vistos como sendo ou o produto de uma lenda ou há muito tempo extinto. 

O crânio do Mythosauro tornou-se o símbolo de Mandalore, e a Armorer já referiu que existem profecias de que o seu regresso anunciará uma nova era para Mandalore. O que nos leva a pensar que este momento é claramente fundamental para o futuro da terceira temporada de Mandalorian.

Um detalhe que aprecio pessoalmente, nesta cena, é que quando Bo-Katan procura por Din na água, ela desliga a sua lanterna, de modo a conseguir ver onde está Din através do brilho da sua própria lanterna. Mas ao fazer isto, Katan passa pelo Mythossauro sem o conseguir ver, visto ele estar envolto na escuridão, mas ao tentar voltar à superfície, dá de caras com este monstro.

O que tambem nos levanta varias perguntas. Esta o Mythossauro aqui desde sempre? Será que a Armorer sabia da sua existência e mandou o Din para ele, para servir de um sacrifício vivo? Será que o Mythossauro apenas apareceu porque estava um Mandalorian com o Darksaber em sua posse?

Todas questões muito interessantes, que sem dúvida despertam cada vez mais curiosidade por este canto do universo de Star Wars. E que, na minha opinião, mal posso esperar pelo próximo episódio para poder esmiuçar todo este universo imaginário.

Mas tu o que achaste do episódio? Gostaste ou nem por isso? Diz-me a tua opinião nos comentários.




Se quiseres falar sobre qualquer coisa geek, podes falar comigo, através do twitter ou Instagram ou Facebook do Tretas do Cromo, sobre isto ou qualquer coisa sobre a DC, Marvel, Star Wars, The Witcher e mais temas geeks.

Youtube

Espreita também o Canal Youtube do Tretas do Cromo, e não percas nenhuma análise ou notícia sobre tudo que envolve o mundo geek.

Considera apoiar o jornalismo presente no site

Considera apoiar o trabalho feito no site, para que possa trazer mais conteúdo e de melhor qualidade, cada vez mais. Espreita uma das seguintes opções:

Obrigado pelo apoio.


Se quiseres falar sobre qualquer coisa geek, podes falar comigo, através do twitter ou Instagram ou Facebook do Tretas do Cromo, sobre isto ou qualquer coisa sobre a DC, Marvel, Star Wars, The Witcher e mais temas geeks.


Youtube

Espreita também o Canal Youtube do Tretas do Cromo, e não percas nenhuma análise ou notícia sobre tudo que envolve o mundo geek.

Considera apoiar o jornalismo presente no site

Considera apoiar o trabalho feito no site, para que possa trazer mais conteúdo e de melhor qualidade, cada vez mais. Espreita uma das seguintes opções:

Obrigado pelo apoio.

SenhorPM

Geek a tempo inteiro, PM é o fundador do projeto Tretas do Cromo. Podes segui-lo no Instagram em @senhor_pm, no twitter em @senhor_pm ou no facebook em @senhorpm.

Deixe um comentário